Usado como condimento e planta medicinal, o gengibre combate inflamações, previne doenças e alivia enjoos (entre outros benefícios).

 

Origem

 

O gengibre é o rizoma, espécie de caule subterrâneo, da planta Zingiber officinale. De origem asiática, tem sido usado desde a Antiguidade como remédio e condimento nas tradições asiática, indiana e arábica.

 

No século 14 seu uso já era popular na Europa e na América foi difundido após a colonização europeia.

 

Propriedades nutricionais

 

De acordo com a nutricionista Silvana Portugal, o gengibre é pouco calórico e possui uma grande variedade de minerais como cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, sódio, zinco, cobre, manganês e selênio; além de vitaminas, como a C e as do complexo B.

 

O rizoma também apresenta princípios picantes, como o shogaol e o gingerol. Este último é responsável pela maior parte dos efeitos terapêuticos do gengibre.

 

Quem está de mal com a balança pode apostar sem medo no alimento. “A ação do gingerol provoca um gasto maior de energia no processo digestivo, aumentando a temperatura do corpo e, com isso, ajuda na queima de gorduras totais. Além disso, a aceleração do metabolismo auxilia na perda de peso”, afirma Silvana. Pode ser consumido em chás, sucos e refogados.

 

Propriedades medicinais

 

As propriedades terapêuticas do gengibre fazem jus ao uso tão antigo. Segundo a nutricionista Silvana, o alimento tem ação antioxidante, antifúngica, analgésica, além de auxiliar nas inflamações, na proteção contra cânceres, na redução da febre, na circulação e nos sistemas nervoso, imunológico e cardíaco. É também importante para o processo digestivo, auxiliando no alívio de náuseas e vômitos, e na eliminação de gases.

 

Apesar de todos os benefícios do consumo de gengibre, é fundamental não se empolgar nas dosagens. “O consumo excessivo pode causar quadros de úlceras, azias e gastrite, e aumento de cálculos renais”, explica Silvana.

 

Nos homens, pode causar ainda prejuízos nos receptores do hormônio sexual masculino (testosterona) e nas mulheres em período menstrual, aumentar o fluxo sanguíneo. Um alerta especial às grávidas, já que o consumo em excesso pode provocar abortos no início da gestação.

 

Silvana sugere a dosagem de quatro colheres de chá da raiz para usufruir dos efeitos terapêuticos. “Existem atualmente cápsulas e óleos essenciais de gengibre, que podem ser indicados pelo nutricionista. Procure um especialista para saber sobre a melhor forma de uso”, recomenda.

 

gengibre

Referências

Fonte: Revista dos Vegetarianos (edição de agosto de 2012) | http://www.revistavegetarianos.com.br

Imagem: howstuffworks.com

Comentários

Favorited (1) : Beatriz Victorio
anuncie aqui bottom